O que você precisa para criar um site?


Se você deseja tornar seu trabalho conhecido para muitas pessoas, você deve se concentrar na publicidade. Uma das ferramentas mais úteis é certamente o site. Aqui estão algumas dicas interessantes. Se é freelancer ou se é dono de uma atividade comercial e pretende focar-se na sua imagem, deve adoptar estratégias de marketing que lhe permitam dar-se a conhecer ao maior número de pessoas possível.

As ferramentas à sua disposição são muitas: vão desde folhetos clássicos, passando por propagandas de rádio e televisão até o uso de redes sociais. No entanto, o meio que mais do que tudo atinge o objetivo é certamente o do site pessoal na Internet. O que é necessário para criar um site?

A resposta é mais simples do que você imagina. Fazer uso da internet hoje não é particularmente complicado: na plataforma, ao lado dos tutoriais de especialistas que te levam pela mão na solução dos problemas mais comuns de TI, você encontrará muitas ofertas comerciais que permitem criar sua página pessoal em apenas alguns passos.

Obviamente, se você quer um ótimo resultado, não pode contar com a improvisação, mas deve entregar sua ideia a um profissional que seja capaz de transformá-la em realidade virtual. Portanto, se você é um iniciante em ciência da computação e acredita que não pode atingir seu objetivo, não precisa se preocupar.

Existem muitas soluções para as dificuldades que você pode encontrar na abordagem de novas tecnologias e pretendemos oferecer alguns esclarecimentos úteis sobre os procedimentos a seguir.

Site: o que você precisa para criá-lo?

Além de ter um espírito inovador e possuir competências tecnológicas específicas, para criar um site é necessário compreender o significado de alguns termos em torno dos quais gira todo o mundo da web. Na falta de conhecimentos básicos, não será possível ultrapassar as armadilhas que a rede lhe oferece e, sobretudo, terá sérias dificuldades em escolher a solução certa para si.

Partimos da mesma noção de site: com esta expressão entendemos a página dentro da qual é reportada qualquer informação de carácter comercial ou pessoal que se deseja dar a conhecer ao público. O site, para ser acessível aos seus clientes potenciais, deve estar contido em uma hospedagem e deve estar conectado a uma url específica.

Falamos de hospedagem para indicar a pessoa que hospeda sua página da web e que pode decidir fornecer o serviço gratuitamente ou mediante pagamento: falamos, em vez disso, de url para indicar o endereço que identifica o seu site de forma irrepetível. O url, que tradicionalmente começa com os três clássicos “w” (world wide web- teia de aranha global), é composta por uma série de letras e números que só podem ser rastreados até o seu site.

Vamos fazer um comparativo para entender melhor os conceitos que acabamos de analisar: tome uma loja como ponto de referência e considere a URL como o endereço da sede, o hosting como a estrutura externa do imóvel e a página como o mobiliário interno. O site pode ser mais ou menos articulado: pode ser composto por uma ou mais páginas conectadas entre si.

Nessa última hipótese, por meio de fórmulas matemáticas e algoritmos, o hosting prepara um link de acesso para cada um e a página principal (aquela que se abre como tela inicial ao digitar a url) é chamada de homepage.

A página inicial é comparável à sua vitrine: se for configurada de forma atrativa, os clientes irão parar para observar os outros produtos em promoção; caso contrário, eles procurarão rapidamente outras páginas mais interessantes.

Quais são os custos ao criar um site?

Neste ponto, você certamente está se perguntando quais são os custos em que terá de incorrer se quiser criar seu próprio site. Para responder a esta pergunta, vários fatores devem ser levados em consideração: a criação de um site, na verdade, pode ser total ou parcialmente gratuita ou total ou parcialmente mediante pagamento.

Você deve, portanto, considerar quatro aspectos principais para ter uma estimativa detalhada de quaisquer despesas que você enfrenta: a compra do domínio, isto é, daquele conjunto de computadores ligados entre si aos quais foi atribuído um único nome, colocado na parte final do url.

Vejamos um exemplo: para conexões comerciais é usado o domínio “.com”, o domínio “.org” para as organizações, o domínio “.it” para as nacionais;
o conselho de um webmaster, a quem necessariamente terá de recorrer caso não tenha conhecimentos específicos e pretenda um site de vanguarda;
a complexidade das páginas: é claro que se você optar por gráficos inovadores, alta velocidade de conexão, tecnologias ultramodernas que permitem que seu site esteja sempre no topo do ranking, você terá gastos maiores; a criação de um serviço de comércio eletrônico, ou seja, vendas online de seus produtos.

A partir da hábil combinação destes elementos obterá o resultado desejado e, acima de tudo, compreenderá quantos e quais os custos que irá suportar. Também leve em consideração um aspecto de grande importância: muitos sites de consultoria fornecem soluções pré-embaladas e oferecem pacotes de custo fixo a partir dos quais você pode escolher o mais conveniente para suas necessidades.

Quais são as diferenças entre site e blog?

Se você não tem muito dinheiro para gastar em marketing na web ou está procurando um produto simples e fácil de consultar, pode decidir substituir a ideia de abrir um site pela de criar um simples blog.

Para escolher com consciência, no entanto, é preciso levar em conta a diferença estratégica entre os dois meios promocionais. Em particular, o blog pode ser comparado a um diário virtual cuja tarefa é criar uma relação com as pessoas que o frequentam: dentro do blog são criados debates, mesmo de natureza puramente comercial, que permitem aos clientes intervir e deixar o seu positivo ou comentários negativos.

Os blogs quase sempre são gratuitos, mas, ao contrário do site, para atingir o objetivo de cativar os clientes, eles devem ser atualizados e repletos de conteúdo diariamente.